RITUAL DE SANGUE - A ORIGEM DE NIX!

O som dos tambores dispersava as trevas, criando padrões irregulares a cada nova batida, como sombras líquidas sendo espalhadas pelo ar, uma pulsação evocando a vida, a morte e as outras forças primordiais do universo.


Era uma clareira na floresta, um círculo de pedras envolvia o ritual. Uma fogueira iluminava uma grande pedra cinza usada como altar. Ao redor, as árvores, os bichos e os seres de outros planos aguardavam uma oportunidade. Uma névoa rubra evanesceu a noite ao que a lua rubra tingiu o firmamento. Ao longe, até os não iniciados sentiram algo no ar. Poesia, música, pintura, arte. Magia.

Os loucos em seus trajes brancos apertados uivaram para ela, recebendo sua luz como um afago. Melhor que ninguém eles entendiam sua força, estavam acostumados a seus encantos, sua luxúria, sua liberdade. A fogueira ascendeu como se fosse capaz de tocar a lua. Ao redor do campo, mais criaturas espreitavam, buscando uma brecha para atacar.

Letícia estava deitada na pedra cinza. Seu pai a observava de longe, de fora do círculo, pois não lhe era permitido tocar o solo desse ritual sagrado. O momento era só dela.

A garota estava assustada e ao mesmo tempo ansiosa. Ela sabia o que a esperava, sempre quis que esse momento chegasse, mas quando chegou pareceu grandioso demais e ela temeu não estar à altura dele. E se ela falhasse? Seu pai a perdoaria? E os espíritos de suas ancestrais que a rodeavam, a abandonariam?

O som dos tambores ficou mais intenso. Letícia temia mais o fracasso do que a morte.

Um feixe incandescente se alinhou perfeitamente entre a lua e seu corpo. O uivo dos loucos se uniu aos dos seres sem luz e se intensificaram. Morte, vida ou coisa pior? O que haveria para ela?

O sangue escorreu por suas pernas, e ela o tocou aliviada. O sinal foi dado, o momento era aquele. Ela apontou sua mão ensanguentada para a lua sagrada, entrando em comunhão com ela. Os espíritos das ancestrais gritaram ao mesmo tempo, oferecendo seu conhecimento pregresso com uma única estocada em seu cérebro. A dor foi lancinante. Ela se levantou com dificuldade e os tecidos e amuletos colocados anteriormente ao redor da pedra encontraram seu corpo, conjurados por sua magia, constituindo suas novas vestes, sua nova pele.

A deusa da lua perguntou a Letícia se ela aceitaria seu legado. A garota hesitou, perguntando-se se conseguiria ser quem desejava ou apenas uma cópia de seu pai. Perguntou-se por que ou por quem fazia aquilo. Bastava descer da pedra, romper o ritual, e tudo seria esquecido, nem mesmo ela se lembraria… E se tivesse a passagem livre, poderia ter uma vida normal, mundana, encontraria futilidade e amor. Talvez fosse feliz. Ou poderia aceitar uma responsabilidade capaz de tirar dela tudo de bom e importante em sua vida caso não fosse forte o suficiente para…


– SIM, DEUSA MÃE! EU ACEITO!


Letícia sempre foi forte e decidida. O pai dela não iria mais manipulá-la. E se ele tentasse, sofreria as consequências. A partir daquele momento, ela não baixaria mais a cabeça para quem quer que fosse.


– EU SEREI CHAMADA DE NIX, A SACERDOTISA DA NOITE. E HONRAREI SEU LEGADO!



Os espíritos das ancestrais a reverenciaram, retornando para suas próprias infinidades. Os seres sem luz também se retiraram, decepcionados e assustados com as consequências de confrontar a dama que havia se erguido. E os loucos, num inusitado momento de lucidez, voltaram para a alienação de seu sono químico. Seu pai sorriu orgulhoso, mesmo sabendo que testemunhara o nascimento de sua maior adversária.


Letícia só tinha treze anos.


Texto de Henry Garrit / Ilustrações de Márcia Sandrine e Valter Barbosa, cores de Márcia Sandrine.